quarta-feira, 27 de julho de 2011

A luz no fim do conto e outros unguentos de Augusto Pellegrini


“O Bruxo de Concepción” é o mais novo título do selo Clara Editora. O livro de contos de Augusto Pellegrini será lançado no próximo sábado, dia 30, às 20h, no restaurante Cumidinha de Buteko, no bairro do Cohajap. A noite de autógrafos inclui pocket show de blues e jazz interpretados pelo autor com acompanhamento dos músicos Celson Mendes (violão), Júlio Marins (guitarra) e Miranda Neto (trompete).

Concepción del Oro é uma pequena cidade encravada na parte norte do estado mexicano de Zacatecas, terra natal de Emerenciano Ycaplán, um meio índio asteca, meio obeso, de baixa estatura, que desfrutou de certa fama de milagreiro em homéricas viagens pelo México até ser apanhado de calças curtas por doutores do Conselho de Medicina. A história do bruxo Emerenciano é um dos oito contos que brotam da inventividade de Augusto Pellegrini no seu quinto livro do gênero.

Pellegrini conta que optou pelo conto fantástico em decorrência da narrativa leve, carregada de surrealismo e fantasia. Tudo pode acontecer, segundo ele, para aguçar a imaginação do leitor. Pessoas, animais e coisas se travestem de espíritos ruins, objetos iluminados criam vida, mortos ressuscitam, sons e sombras se juntam no colorido âmbar do cenário e o absurdo se sobrepõe à lógica.

Em “O Bruxo de Concepción”, adverte Pellegrini, os contos não pretendem ser rigorosamente apavorantes. O autor explora certas particularidades de personagens e locações usando o expediente corriqueiro do humor e da ironia. Valendo-se aqui e ali da cumplicidade do leitor, Pellegrini escapa sorrateiro das conclusões óbvias e, ao longo de 125 páginas, surpreende com suas oferendas imaginárias, quebra-cabeças aterradores e unguentos alucinantes.

Augusto Pellegrini é paulista radicado em São Luís há mais de 30 anos, autor de “Coisas”, “O Fantasma da FM”, “À noite, todos os gatos” e “Jazz, das raízes ao pós-bop”. É cronista esportivo do jornal “O Estado do Maranhão”, foi produtor e apresentador do programa de rádio Mirante Jazz, premiado em 1984 pelo New York Radio Festival, e atualmente tem se dedicado a apresentações como cantor de jazz e bossa nova.

“O Bruxo de Concepción”, prefaciado por Ronald de Almeida Silva, é o 22º título do selo Clara Editora, que tem livros publicados de Milson Coutinho, Fernando Abreu, Clóvis Cabalau, Guttemberg Araújo, Joaquim Campelo, Sérgio Brito, Antonio Carlos Lima, Cidinho Marques, Carlos de Lima, Mário Meireles e Kátia Bogéa.

O evento de lançamento de “O Bruxo de Concepción” e o pocket show no Cumidinha de Buteko levam a assinatura da Satchmo Produções.

Um comentário:

  1. Felix, ficou ótimo seu texto. Jornalista atuante, sim. Bacana.
    Celijon

    ResponderExcluir